As Rádios se modernizam ou sucumbem


Enviado pelo nosso amigo Valter David.
O "lead" da reflexão não é sobre o software e sim sobre a multifuncionalidade dentro de nossa área de atuação que o mercado exige cada vez mais. É evidente que aqui no Brasil, muitos distorcem este conceito e trocam multifuncionalidade por desvalorização de mão de obra. - David

As Rádios se modernizam ou sucumbem
A revolução tecnológica que se opera, a todos os níveis da economia, visa, sobretudo, uma maior produtividade das empresas de forma a que possam sobreviver à concorrência cada vez mais desenfreada. Só irão resistir as empresas que optarem por uma gestão de contingência e que consigam eliminar uma mão de obra de baixa formação profissional, desmotivada e descaracterizada, sem cultura empresarial--- em suma, uma mão de obra que não produz e se produz, produz pouco. Numa hora em que ( mais uma vez...) se engendra uma nova legislação que irá modificar as regras de funcionamento das rádios, sobretudo as locais, é importante que o gestor fique atento ao que se está a passar e que tome as medidas de gestão necessárias para o sucesso da sua empresa: que os objectivos sejam atingidos ( se é que há objectivos), que se seja o mais eficaz possível na prossecução desses objectivos e que o tecido funcional perceba que nenhuma empresa pode sobrevir sem lucros. Aliás, numa economia de mercado, as empresas que não dão lucro devem ser fechadas, antes de ser decretada a sua falência. Apesar de um certa função social das empresas, a par de uma importante função económica, é bom que nenhum gestor pense que elas são casas de caridade. Quem faz caridade é a Santa Casa da Misericórdia e outras instituições de igual relevo.
As rádios, sobretudo as locais, encontram-se numa encruzilhada: ou se modernizam ou sucumbem. Não podendo ficar dependentes do poder público, para sobreviverem, financeiramente, é necessário ter a coragem de modernizar a administração e esta passa por técnicos competentes e medidas corajosas. Gestores e funcionários flexíveis, aptos a mudanças e, principalmente, que saibam trazer resultados, em meio às crises. Este é, actualmente, o tipo de perfil mais importante e desejado , do tecido humano, dentro das rádios e de qualquer outra empresa.
Cada vez há menos gente a trabalhar, por mais resultados e, como consequência, cada vez, menos pessoas devem saber dar conta de todos os problemas da empresa sendo a principal característica dos gestores e funcionários, modernos, saber operar na incerteza. As mudanças sofridas pelo mercado publicitário alteraram o perfil do profissional e, hoje, qualquer empregado tem que ser polivalente e capaz de flexibilizar os seus serviços: por outras palavras, todos têm que saber fazer tudo. Sem falar na obrigatoriedade de pensar a empresa como um todo e estar, a todo o tempo, completamente integrado dentro da “cultura” desta. Foi-se o tempo em que rádios viviam cheias de “ ilustres escribas” e “ importantes locutores” , em que os telefones ficavam à mercê de contas astronómicas ... e “publicidade eu não faço porque não é minha função e, por sinal, até sou pessoa muito importante”!...Ora, estes tempos, acabaram.
A polivalência é hoje mais que necessária e enganem-se aqueles que acham que as corporações vão ser mantidas, em Portugal, eternamente.
Daí que, onde cabiam cinco escribas e cinco locutores, hoje só cabe um . É locutor, é escriba, é angariador de publicidade e, se calhar, até presta serviços à empresa através da sua empresa e, portanto, sem qualquer vínculo empregatício.O modo de fazer rádio modificou-se radicalmente e hoje é possível produzir programas de rádio, em tempo virtual, para “ irem ao ar” em tempo real.
O Digital RM V5, da ABSS, o mais avançado e mais confiável sistema de automação de rádios, existente no mercado, permite, hoje, reduzir, brutalmente, os custos das rádios, pela diminuição da mão de obra a níveis considerados, há pouco tempo, inimagináveis. Há casos de utilizadores do sistema em que um único locutor, ao mesmo tempo que está a emitir, faz nova programação, para emissão futura. É uma das mil funções do V5 sem contar a principal que é a de automatizar a sua rádio permitindo-lhe “levar ao ar” os programas que quiser, pelo tempo que desejar, dispensando qualquer tipo de mão de obra, evitando as gripes, os atrasos no trânsito e o absentismo.
A par de uma formação adequada e novas competências adquiridas , aquilo que era feito por um monte de pessoas, pode ser feita apenas por uma.Isto representa corte de custos. E em qualquer empresa, quando se corta custos, gera-se mais lucros. E as rádios não podem alhear-se desta realidade.AARO futuro do Digital RM é interactivoOs engenheiros da ABSS, iniciaram recentemente os estudos para disponibilizar a todos os utilizadores dos novos sistemas de automação da ABSS, nomeadamente o Digital RM V5, um software que irá possibilitar uma total interacção entre este sistema de automação e dispositivos móveis como os telemóveis.
O sistema, refere o Eng. Pedro Roque, responsável pelo departamento de criação da ABSS, visa possibilitar aos utilizadores dos sistemas Digital RM, uma completa interacção destes sistemas com dispositivos móveis, dando aos ouvintes destas emissoras, total poder sobre a programação da sua rádio preferida através do envio, por exemplo, de mensagens SMS ou atarvés do acesso a conteúdos WAP.
Mas esta dita interacção, não se fica apenas pela possibilidade de os ouvintes poderem votar em tempo real nas suas músicas preferidas, interferindo assim, de forma directa na programação da sua rádio. Com esta interacção, é também possível que qualquer ouvinte, através do seu telemóvel, solicite ao sistema que, através de uma mensagem, o informe de que a sua música preferida tocará dentro de 5 minutos ou de que por exemplo ele, ouvinte possa consultar a playlist da rádio em tempo real, e muitas outras possibilidades.Para as rádios, utilizadoras dos sistemas da Digital RM e que optem pela utilização destes recursos, a maior vantagem, para além de uma rádio cada vez mais voltada para o gosto do ouvinte, é a possibilidade de novas fontes de receita, nomeadamente as que estejam relacionadas com os dispositivos móveis, como é o caso das mensagens SMS dos telemóveis e outras relacionadas com publicidade na WEB, jogos interactivos, etc..., como já vem sido feito pelas televisões nacionais.

Page 2
Las Vegas – EUA, Abril de 2003
ABSS negoceia a instalação do seu 1º sistema por terras Angolanas
Está para breve a instalação do primeiro sistema de automação da ABSS em Angola, mais precisamente num dos principais grupos privados de comunicação daquele país.
Através da parceria desenvolvida com a Seratel Technology e de seus revendedores neste país Africano, surge a oportunidade de realizar a primeira instalação do sistema de automação Digital RM V5.
O Eng. Filipe Motta, da empresa angolana AngTel, refere que o novo sistema de automação de autoria da ABSS é o mais completo do mercado, indo de encontro a todas as expectativas e necessidades das rádios Angolanas, que agora começam a perceber a necessidade de automatizar as suas emissoras, na tentativa de melhorarem as suas emissões e também de cortarem custos com mão de obra.
Também é de salientar, refere Filipe Motta que o facto de ser um sistema desenvolvido por uma empresa Portuguesa e em português, ajuda bastante na hora da decisão. Afinal, a língua e a própria relação entre Portugal e Angola, não pode ser esquecida em assuntos como este, que envolvem uma mudança radical dos hábitos de trabalho.
O primeiro contacto entre a ABSS e a empresa AngTel foi recentemente estabelecido em Las Vegas, na NAB 2003, tendo sido já avançada uma proposta completa para uma instalação que, segundo a ABSS, será exemplar, servindo de modelo para futuras instalações neste mesmo país e mesmo em outros, onde a ABSS actue.
Assim esperamos...

Las Vegas – EUA, Abril de 2003
ABSS inicia contactos para fornecimento do sistema Digital RM V5 para as Forças Armadas Britânicas
No decorrer de mais uma participação da ABSS – Audio Broadacasting Software System na maior feira de radiodifusão mundial, a NAB 2003, mais um importante contacto foi estabelecido por esta empresa portuguesa que cada vez mais começa a conquistar o seu lugar ao sol no mercado internacional.
Desta vez, a ABSS conseguiu cativar a atenção de ninguém menos do que os serviços de radiodifusão das Forças Armadas Britânicas, ou BFBS (British Forces Broadcasting Service), uma espécie de RDP voltada apenas para o serviço de radiodifusão para as tropas Britânicas espalhadas por todo o planeta. Onde quer que exista um contigente de tropas Britânicas, a BFBS por lá estará, a levar a todos os seus ouvintes, as ultimas informações vindas directamente de Inglaterra, sem esquecer, como é claro, da programação, totalmente voltada para estes contigentes e para os restantes ouvintes que buscam uma forma de se manterem em contacto com a seu país natal. Desta forma, e no seguimento da abertura de novas estações de radiodifusão em territórios onde as Forças armadas Britânicas assentam agora parte dos seus contigentes, nomeadamente no Iraque, durante a última edição da NAB, em Las Vegas – EUA, iniciaram-se os contactos entre estas duas empresas no sentido de que em um futuro bem próximo, algumas das emissoras ligadas aos serviços da BFBS estejam a trabalhar com os sistemas de automação da ABSS, nomeadamente o Digital RM V5, que nas palavras do Director de Projectos Operacionais da BFBS, Mr. Chris Pratt, é o melhor sistema de automação do mercado, tendo uma relação preço/qualidade altamente elevada.
Esperemos que de facto, estes contactos iniciais evoluam para uma situação concreta de instalação dos nossos sistemas a curto prazo em algumas destas estações, o que representaria um grande passo na estratégia de crescimento da nossa empresa a nível internacional, refere Alexandre Sviatopolk, um dos administradores da ABSS – Internacional.

Page 3
Castelo Branco - Portugal, Fevereiro de 2003
Rádios Nacionais reúnem-se em Castelo Branco à procura de soluções para o futuro
O 9º Congresso de Radiodifusão da Associação Portuguesa de Radiodifusão (APR), reuniu no passado mês de Fevereiro, todos os profissionais de Radiodifusão, com a intenção de discutir o futuro do sector.
Entre os vários pontos discutidos ao longo dos 3 dias de Congresso, um dos que levantou maiores interrogações acerca do futuro foi o das plataformas digitais, em que estão incluídos temas como a Internet, o DAB e a utilização do “velho” RDS para outras funções que não as que nos habituámos.
No que respeita ao DAB, conforme já referido neste Informativo em artigo específico, as incógnitas acerca do seu futuro são inúmeras, principalmente depois da aprovação por parte da FCC nos EUA das emissões no sistema IBOC, o que já levou, conforme constatado pela ABSS no último certame da NAB em Las Vegas, as rádios Americanas a avançarem para em direcção a este sistema, que além de híbrido, representa custos inferiores se comparados ao DAB.
O RDS por sua vez, ganhou novo fôlego com possibilidades ainda não exploradas pelos seus utilizadores, como a transmissão de textos, dados e outras informações para aparelhos de rádio.
A Internet por sua vez, foi uma das estrelas das discussões deste congresso, uma vez que agora, com o aumento da largura de banda oferecida através, por exemplo do ADSL, torna-se mais simples a disponibilização do audio online e aos poucos, as rádios nacionais tem vindo a compreender a importância deste novo veículo de comunicação.
O mais importante, salienta um dos responsáveis pelo Dept. de Investigação e desenvolvimento de sistemas da ABSS, é a constante actualização de conteúdos, que para o sucesso de um projecto deste tipo deve ser, no mínimo, diária, o que não acontece com muitas das rádios que já possuem as suas páginas na WEB.
Segundo o mesmo responsável, a ABSS tem vindo a disponibilizar aos seus clientes um excelente serviço nesta área, tendo sido efectuado há pouco tempo o lançamento de alguns dos seus projectos mais emblemáticos, como é o caso da página da RCI - Emissora Regional de Viseu e a própria página da ABSS, esta ainda em período de testes e que deverá, em breve, estar à disposição de todos os utilizadores dos seus sistemas.

Las Vegas - EUA, Abril de 2003
NAB 2003
Na edição 2003 da NAB, na fabulosa cidade de Las Vegas, estado do Nevada dos Estados Unidos da América, estiveram mais de 90.000 visitantes, um número pouco abaixo dos 110.000 da edição de 2002 e se contabilizarmos a epidemia da SARS e a Guerra no Golfo, esta edição foi um autêntico sucesso.
Não se podia esperar outra coisa do maior certame de radiodifusão do mundo, com a participação de mais de 1.400 expositores, com as mais diversas estruturas, demonstrações ao vivo, testes e até mesmo camiões e helicópteros à mistura.
Como é do seu apanágio, a organização não descuidou e, nesta edição, foi até o ínfimo pormenor desde a escolha selectiva dos convidados para as dezenas de palestras, os assuntos debatidos até o dispositivo de apoio aos expositores e visitantes.
Separado em áreas de Internet, Televisão, Áudio e Radiodifusão, o Las Vegas Convention Center foi o palco das mais recentes propostas tecnológicas dos mais importantes fabricantes mundiais, como o IBOC, sistema revolucionário que poderá substituir o DAB na rádio digital e com custos muitos menores.
Nomes sonantes como Harris, Seratel, Studer, SoundCraft, Telos-Omnia, Orban, Sony, Digigram, Antex Electronics, RCS, AEQ e outras mais, marcaram presença.
Entre eles, orgulhosamente, estava a ABSS e o Digital RM, na sua segunda participação no certame.Em demonstração, a mais recente versão LOG V5 dedicado à gravação contínua e ininterrupta de áudio e também vídeo, para a utilização em radiodifusão e agora também em circuitos de vigilância, ao lado do emblemático e mundialmente conhecido sistema de automação DIgital RM V5.
Page 4
Lançamento do Site da RCI, desenvolvido pela ABSS
Tal como indicado na última Newsltter, a ABSS, para além de se dedicar aos sistemas de Automação e Gestão de rádios, sistemas de vigilância e sistemas integrados, aposta também numa das áreas de maior expansão nos últimos anos, a Internet.
Dotada de um leque de ferramentas e recursos humanos, capaz de darem resposta às complexidades exigidas neste gigantesco universo, a ABSS reúne, assim, condições para desenvolver conteúdos e geri-los, profissionalmente, seguindo as mais recentes tecnologias de Webdesgin e com um elevado padrão de qualidade.
Com isto, a ABSS disponibiliza aos seus actuais e futuros clientes, a possibilidade de terem, desde já, as suas próprias páginas web com uma panóplia de conteúdos que podem ir desde múltiplas actualizações de notícias, imagens, streamming audio e video, SSLs com Logins e circuitos seguros, base de dados SQL com a possibilidade de visualização do nome das músicas e artistas, da faixa que a rádio estiver a transmitir naquele momento e outras soluções, que estejam, sempre, à medida e gosto de cada empresa. É um mundo infinito de possibilidades.A internet bem manipulada, pode torna-se numa poderosa ferramenta de exploração comercial. É um novo veículo de comunicação da rádio, são novos circuitos atingidos, novas pessoas, novos consumidores, enfim, argumentos mais do que suficientes para que cativem um cliente a publicitar o seu produto ou serviço na sua rádio. Pense nisto...No passado dia 19 de Julho de 2003, a ABSS lançou, no universo da Internet um dos seus trabalhos de webdesign mais aguardados, o website da rádio RCI de Viseu.Uma elevada complexidade de conteúdos que vão desde a múltipla actualização diária de notícias com texto e imagem, estado do tempo, cinemas, farmácias, informações úteis, historial da rádio, da região e muitas outras informações.
Todo o conteúdo do site foi alojado num servidor dedicado brasileiro, embora possa estar em qualquer parte do mundo como Estados Unidos, Japão e, obviamente, Portugal. Neste caso, apenas o factor relação preço/qualidade e fiabilidade é que influenciaram na decisão.
Contemplado também está o Streamming de áudio da emissão, em directo, 24 horas por dia com uma qualidade excepcional, 32Kbps/32Khz estéreo, utilizando para o efeito o mais recente Encoder do mercado e também o streamming de vídeo com webcams instaladas na cidade de Viseu onde o cibernauta poderá ter acesso, a qualquer hora, a imagens da cidade actualizadas de 2 em 2 segundos. Tanto no caso do áudio como no video, foram colocados links para os Ips fixos, instalados em servidores na própria rádio.
Foi instalado um duplo servidor redundante, cada um, com capacidades de assegurar, em pleno, o streaming tanto de áudio como de vídeo, estando sempre um segundo servidor, a postos, no caso de falha técnica do primeiro. Tudo protegido com duas UPSs montadas em Rack e usando fases distintas, da MGE de 3.000 Va cada, modelo Extreme. O áudio tem origem numa saída auxiliar do processador de MPX, com parâmetros específicos para webcast, embora possa ter origem onde quiser, até mesmo na consola de emissão ou um tunner de FM.
Com o trabalho desenvolvido na RCI de Viseu na parte de streamming e conteúdos, conseguiu-se preencher os mais importantes requisitos: a fiabilidade da ligação, segurança de dados, rapidez de acesso e qualidade do áudio / video.
É inegável o valor de uma página de conteúdos na internet, onde cada empresa possa mostrar um pouco mais de si e dos produtos que comercializa e dos serviços que presta.
A actualização diária de conteúdos era uma obrigação e foi conseguida com a implementação de ferramentas para que o simples usuário de computador, pudesse actualizar, quantas vezes por dia quisesse, os conteúdos de notícias e muitas outras, estando reservadas à ABSS, apenas as actualizações mais complexas.Outro ponto relevante foi a exploração comercial com a introdução de espaços 100% dedicados à publicidade, através de “banners” em Flash 6.0 e de “pop ups”, sempre actualizados e com sistema de rotação, permitindo a rentabilidade máxima do circuito reservado.No final de tudo, as despesas de gestão e manutenção, mensal, do site, são muito reduzidas e facilmente suportáveis.
Convidamo-lo desde já a consultar http://www.rci.pt/ e comprovar que esta, poderia ser a sua rádio na internet. Pense nisso e fale connosco já......

Comentários